Terapia da fala | Será que a minha filha precisa?

“A minha filha ainda não fala – ou fala mal – porque é muito preguiçosa” ou “basta dar-lhe tempo e ela vai começar a falar sem ajuda” ou “a mãe tem que incentivar a falar”, “Ignore-a! Ela vai pedir!!!”. Isto era o que pediatra me respondia, quando eu o questionava sobre o facto de, por vezes, não conseguir compreender a minha filha Serena. Andava preocupada e achava que a devia colocar na terapia da fala, mas por aconselhamento médico não o fiz, ignorando o meu instinto. 

Quando a coloquei no pré-escolar estava decidida a perguntar a opinião à educadora. Esperei algum tempo para que tanto a Serena como a educadora se adaptassem uma à outra e confirmei as minhas suspeitas. O diagnóstico: A minha filha compreendia tudo e não sofria de nenhuma perturbação cognitiva, mas tinha problemas na articulação dos sons e palavras. Precisava de terapia da fala! 

Encontrei uma terapeuta excelente, a Dr.ª Natacha Gigante, que articulou com os pais e com a escola, aquilo que deveria ser trabalhado após cada sessão. É de extrema importância darmos continuidade ao que foi trabalhado nas sessões de terapia da fala, porque só assim a criança evolui. 

Perguntam-me, várias vezes, se noto diferenças! A resposta é sim! A Serena está muito mais desenvolvida ao nível da comunicação. 

Com a Alícia, optei pela prevenção e procurei um diagnóstico mais cedo, pois não queria que ela entrasse no pré-escolar, com as mesmas dificuldades da irmã. E ainda bem que o fiz, ela tem mais ou menos o mesmo problema da Serena! 

Já questionei a terapeuta se o fato de a irmã mais velha, ter tido dificuldades em se expressar, se essa poderá ter sido uma das causas para a Alícia, também ter dificuldades em falar. Parece que não! 

Como a entrada para a terapia da fala ainda é recente para a minha filha mais nova, não tenho ainda um desenvolvimento significativo. 

A idade não é o fator determinante para procurar o parecer de um terapeuta da fala, e também não é o fator de exclusão! Se acha que o seu filho(a) está com alguma dificuldade de comunicação, dificuldade em engolir e mastigar, não hesite em contactar um profissional da área, sem qualquer sentimento de vergonha ou inferioridade! 


Sílvia Encarnação

Top de Vendas

  • Bandolete – Maria

    Bandolete – Maria

    A bandolete com flor bege, fita preta e centro com pedras em forma de gota, é trabalhada de forma artesanal, para dar aquele toque especial nos acessórios das princesas.

     

  • Bandolete – Francisca

    Bandolete – Francisca

    Esta bandolete dupla prata, com fio entrançado, foi confecionada a pensar naquelas ocasiões especiais, para fazer brilhar ainda mais a sua Princesa.

    .

  • Bandolete – Camila

    Bandolete – Camila

    Esta bandolete com flores delicadas em cor de rosa e em branco, com uma fita totalmente em renda. Foi projetada e pensada na elegância e delicadeza das cabecinhas das nossas pequenas princesas.

    Se pretender para mais idade, basta colocar na nota da encomenda a idade da menina.

  • Gancho – Iara

    Gancho – Iara

    Gancho em forma de laço cor de rosa em tecido, com um toque de brilho no centro. Com produção artesanal é um acessório muito feminino e elegante para a sua princesa.

     

  • Gancho – Amália

    Gancho – Amália

    Gancho com aplicação de uma flor em azul marinho, totalmente feita à mão, pétala por pétala, por artesãs minhotas, com tecidos 100% portugueses.